PERISCÓPIO 05: “Para além de investimentos, reformas portuárias.”

  Frederico Bussinger Vez por outra surgem termos que se tornam bordões. Até aí, o risco é só comprar-se rótulos sem conteúdo. Mas quando se trata de ações ou políticas públicas, é quase certo que isso levará a desperdício de recursos, de tempo e/ou resultados aquém dos esperados. Em meados dos anos 90 o principal […]


PERISCÓPIO 04: “Governança Portuária: há alternativas às jabuticabas!”

  Frederico Bussinger  “No mundo inteiro terminais querem estar dentro dos portos. Por que no Brasil preferem ficar fora?” (dos portos organizados/públicos). O painelista, especialista europeu, com atuação em várias dezenas deles, nos 5 continentes, pegou-nos de surpresa e silenciou a plateia. Mais que uma curiosidade, a questão posta indica que algum desajuste deve ter […]


PERISCÓPIO 03: “Ensaio para autonomia portuária?”

    Frederico Bussinger   “Se foi pra desfazer, por que é que fez?” (“Cotidiano n°2” – Vinicius de Moraes) “Pois muitos são chamados, mas poucos os escolhidos” [Mateus 22:14] Apesar de publicada ao apagar das luzes do governo encerrado, e da orientação para que sejam reavaliados “todos os atos dos últimos 60 dias”, a […]


PERISCÓPIO 02: “Expectativas portuárias para 2019”

  Frederico Bussinger “Como será o amanhã? Responda quem puder…” (“O amanhã” – Samba Enredo ES Ilha do Governador/1978)  “O segredo do sucesso não é prever o futuro. É prover, no presente, certas condições para prosperar no futuro que não pode ser previsto” (Michael Hammer)   O título do artigo foi também o do recente […]


PERISCÓPIO 01: “Porto de Santos: Há o que comemorar lições a revisitar!”

  Frederico Bussinger   “Quando eu penso no futuro, não esqueço o meu passado” [Paulinho da Viola] “Não pergunte o que seu país pode fazer por você; Pergunte-se o que você pode fazer por seu país” [John F. Kennedy] O Porto de Santos movimentará cerca de 136 Mt em 2018; anunciou o Presidente da CODESP […]


Ferrovias: agora vai?

Frederico Bussinger. Em termos estritamente formais, o objeto ora sendo regulado não chega a ser uma inovação: o art. 21, XII, d, da CF, já prevê “autorização” como instrumento para exploração indireta dos “serviços de transporte ferroviário e aquaviário entre portos brasileiros e fronteiras nacionais, ou que transponham os limites de Estado ou Território”. Na prátic



“Vantajosidade”na renovação antecipada de Carajás ?(*)

Frederico Bussinger – Pontos-Chaves: As discussões de renovações antecipadas das concessões ferroviárias mudaram, de novo, de patamar: agora, as audiências públicas. Dois temas se destacam na documentação e nas primeiras AP: o valor da outorga (renovada) e a destinação dos recursos dela oriundos. Há diversas lacunas; […]