PROJETO SEIS E MEIA EM DEBATE – OUTUBRO DE 2016

Sob o Título “Transporte Público: Decifra-me ou te devoro! ” o IDELT realizou mais uma edição do Projeto Seis e Meia em Debate. Com lotação completa, no dia 24 de outubro último, estiveram debatendo o assunto o Economista Saulo Krichanã, o engenheiro Pedro Benvenuto e o especialista em transporte Laurindo Junqueira que é físico de formação.

Logo na composição da mesa, dirigida por Frederico Bussinger, ficou claro que ninguém teria vida fácil neste Debate com uma plateia tão qualificada quanto os debatedores.

Situando o assunto, é importante destacar que a mobilidade urbana é elemento essencial para promover e facilitar o deslocamento das pessoas, interferindo na qualidade da vida do cidadão e no grau de desenvolvimento social e econômico. É por meio do transporte coletivo urbano que se movimentam as atividades comerciais, industriais, educacionais, recreativas, entre outras indispensáveis à vida. Estudos apontam que a maioria dos deslocamentos são feitos por meios coletivos (maioria por ônibus), seguidos pelo transporte individual por carro e moto e, ainda, a pé ou de bicicleta.

A crescente falta de ordenamento do tráfego nas principais cidades brasileiras aliada a outros fatores como gratuidades e lentidão, reduz a quantidade de viagens remuneradas que, por sua vez, reduz a receita dos sistemas coletivos, o que também implica em aumento de custos. Para que estes não sejam repassados aos usuários, o poder público acaba assumindo esse ônus em forma de subsídio para a tarifa.

Esses sistemas vêm sendo revistos e modernizados, mas a saturação dos equipamentos e das vias são indicadores de sua desestruturação. Uma das alternativas para redução dessa saturação seria transportar mais pessoas ocupando menor espaço nas vias. Sistemas de alta e média capacidade cumprem, nesse sentido, papel fundamental na formação de uma rede que garanta mobilidade e acessibilidade em maior extensão das cidades.

O visível déficit de infraestrutura também não consegue acompanhar o aumento das demandas e nem sempre cabe nos recursos governamentais disponíveis para aplicação em obras e serviços públicos. Os resultados são sistemas de trânsito esgotados, ruas e estradas congestionadas, pontes precisando de reparos, sistemas de tratamento de lixo e esgoto precisando de ampliação…. E assim por diante.

Assim, a cada dia fica mais claro que apenas as tarifas, não conseguem cobrir os custos operacionais do transporte público. Então … O que fazer?

Como estruturar sistemas de transporte público sustentáveis financeira e operacionalmente?

 Este foi o mote detonador das apresentações e discussões cujo resumo, em breve, estará disponível no canal IDELT do YouTube.

Pedimos a vocês que se inscrevam no canal abaixo para receber esta e outras informações importantes.

https://www.youtube.com/channel/UC7uZX1dWUqAeHv0zR4_WACg

Enquanto está em fase de preparação, disponibilizamos os slides apresentados por cada expositor, conforme o enfoque por ele dado à sua apresentação. Basta enviar-nos a solicitação pelo e-mail: idelt@idelt.org.br.

Compartilhe:Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedInEmail this to someone