Skip to content

Ponta da Praia (Santos): FAQ

DC8EC9D1-BB73-B26A-5A67-FBA9ED5B3547

Mudanças negociadas somente  têm início
quando os negociadores passam a enxergar,
claramente, a próxima etapa
(Henry Kissinger)

Diante de impasses,
mais importante que procurar resolver o problema,
é formulá-lo de forma diferente
(Milenares provérbios, chinês e grego)

 

Relembrando:

30/AGO/2013: Já com base na “Nova Lei dos Portos”, recém aprovada (Lei nº 12.815/13), o modelo para arrendamento de instalações portuárias na Ponta da Praia (granéis sólidos) é apresentado numa concorrida Audiência Pública na CODESP. Dentre as críticas, as dificuldades de acesso à região e as restrições urbanísticas da Prefeitura e da Câmara de Vereadores de Santos.

29/NOV/2013: Prefeito de Santos, Paulo Alexandre Barbosa, sanciona a Lei Complementar nº 813, modificando a nº 730, de 11/JUL/2011: “Lei de Uso e Ocupação do Solo na Área Insular do Município de Santos”. Na prática, vedando a movimentação de grãos na Ponta da Praia.

10/DEZ/2014: TCU suspende e estabelece 19 condicionantes para prosseguimento dos processos de arrendamento do Lote-1 do programa de arrendamentos do Governo Federal. Dentre eles, observação à lei municipal, recém promulgada (Item 9.1.18).

DEZ/2013 e JAN/2014: SEP apresenta pedido de reconsideração da decisão do TCU e, em seguida, presta informações sobre itens atendidos.

28/JAN/2014 (incidentalmente, comemoração da assinatura do Decreto de “Abertura dos Portos às Nações Amigas”): Ministro Ricardo Lewandowski, no exercício interino da Presidência do STF, determina (01, 02, 03), liminarmente, a suspensão da expressão “exceto granel sólido” na lei municipal.

25/FEV/2014: Prefeitura recorre (01, 02, 03, 04, 05, 06) da decisão liminar do STF.

26/FEV/2014: Prefeitura apresenta anteprojeto para modificação da Nova Lei dos Portos visando exigir que os municípios sejam consultados, previamente, para os processos de arrendamento; que novos empreendimentos respeitem a legislação urbanística local; e que sejam previstas medidas mitigatórias dos impactos ambientais, urbanísticos e sociais decorrentes das atividades nas áreas a serem concedidas.

FEV e MAR/2014: Em função de sucessivos pedidos de vista de diversos Ministros, TCU posterga decisões sobre os processos de arrendamento suspensos.

18/MAR/2014: Entidades de trabalhadores defendem a manutenção da movimentação de grãos na Ponta da Praia. “Petição Pública” colhe assinaturas, atualmente já com mais de 20.000.

Difícil imaginar-se um solução rápida e pacificadora; não? Mas, felizmente, há alternativas que podem ser solução de compromisso entre os interesses/posições dos diversos protagonistas, além de entre as dimensões logística, urbana e ambiental.

Imagem: Frederico Bussinger
Clique aqui para acessar as alternativas propostas. Importante ressaltar
que a localização é meramente referencial e o layout somente ilustrativo

Esboço da ideia básica, sua lógica e vantagens, foi apresentado em dois artigos anteriores, de 05 e 12/DEZ/2013.

Em suma:

Objetivo: i) Arranjo e processo articulado visando transferir, gradativamente, as operações de granéis sólidos vegetais da Ponta da Praia para o “fundo do Estuário”. ii) Uma solução de compromisso à necessidade de ampliar tais movimentações ante o elevado e contínuo crescimento da produção/exportação do agronegócio (explicitada pelo Governo Federal) e de vedá-las totalmente naquela região (resultado da lei municipal).

Premissas/fundamentos: i) A combinação dofin/píer com esteiras permite separar, até por kms, o armazém/silo do ponto de atracação do navio. A melhor analogia é o ar condicionado: Antigamente o aparelho era uma unidade única. Atualmente os “Split System” permitem separar-se o evaporador (unidade interna) do condensador (externa). ii) Com isso é possível localizar a armazenagem em pontos onde a conexão modal interior (ferrovia, hidrovia, rodovia) é mais eficiente. iii) No “fundo do Estuário” da Baixada Santista há diversas áreas apropriadas, atualmente inocupadas.

Ela teve e tem tido boa receptividade; não sem enfrentar prudentes ceticismos e gerar algumas dúvidas. Sistematizo as principais:

1) O Porto chegou primeiro. Os prejudicados que se mudem: Engano! Tanto ou mais que o meio ambiente, ou a população vizinha que se adensa, o prejudicado é a logística dos granéis sólidos. E crescentemente prejudicada: São 25 longos km, desde o pé da Serra, 12 km só dentro do Porto Organizado. Ao longo deles carretas e composições ferroviárias trens têm que enfrentar dezenas de interferências. Tudo isso afeta a eficiência sistêmica e significa custos adicionais.

2) E o arranjo proposto resolve esses problemas? Sim: Os novos terminais tendem a ser mais eficientes; seja em si, seja sistemicamente: Equipamentos e sistemas mais atualizados; leiautes mais adequados às novas tecnologias e padrões operacionais; redução de distâncias (ao porto) nos acessos terrestres; possibilidade de localização “em cima” da ferrovia e da hidrovia; acordos comerciais de médio/longo prazo; etc. etc). Os investimentos (CAPEX), por tudo isso, tentem a ser menores. Também os OPEX (custos operacionais, inclusive por redução das mitigações e compensações ambientais).

3) O que ganha o Porto? A liberação de berços, dos viários (rodo + ferro) do Porto e, mesmo, do Sistema Anchieta-Imigrantes, pelo maior uso da intermodalidade com a ferrovia, pode liberar capacidade instalada e/ou aumentar a atratividade do Porto para cargas de maior valor agregado. Ou seja: Não seriam apenas o meio ambiente, a cidade e a logística dos grãos os beneficiados!

4) Bem; se a proposta tivesse chegado antes… Agora, sua adoção não implicaria em mais perda de tempo? Ao contrário: Talvez até o processo de celebração dos contratos de arrendamento e efetivação dos investimentos sejam agilizados! Primeiro, porque não há como se saber quando os processos estarão totalmente liberados; mesmo porque, além do TCU, fala-se em judicializações: Sem jogo de palavras, o certo é que o prazo, pela trilha atual, é incerto! Depois, como ensina Kissinger, uma alternativa pactuada pode reduzir sobressaltos e tornar céleres os processos, até a celebração de contratos e efetivação dos investimentos.

5) Mas como? Nos contratos vigentes, com possibilidade de prorrogação (como o da ADM), antecipar-se e efetivar-se a prorrogação de imediato. Porem condicionado à transferência das operações para um outro sítio (“green field”) no prazo de “n” anos (p.ex: 3; 5). Tudo, obviamente, explicitado no aditivo contratual a ser firmado.No caso dos contratos vencidos, cujas áreas estão sendo agregadas (“brown areas”), justamente o contrário: Licitação já de uma nova área (“green field”); porem com a possibilidade de uso transitório das instalações existentes até que as operações nas instalações definitivas possam ser realizadas.

6) Essa alternativa seria aceitável ao TCU e à justiça? Não se pode falar por eles. Mas pode-se imaginar que não seriam insensíveis a uma alternativa que compatibilizasse a logística, o urbano e o ambiental; o curto e o longo prazo; e interesses/posições de todas as partes; ao menos dos principais protagonistas. Uma alternativa legitimada; em outras palavras. Em tempo: O TCU, no seu Acórdão, já aventa a possibilidade: “… caso ocorra a realocação do terminal” (Item 9.1.18).

Bem… ante a imprevisibilidade do quadro atual, seguindo a sabedoria grego-chinesa, por que ao menos não tentar? Por que não “formular o problema de forma diferente”? Talvez nos surpreendamos!

DICA: Muito provavelmente o stand da EMAP/ITAQUI na INTERMODAL SOUTHAMERICA, semana que vem, em SP, mostrará projeto com concepção congênere, ora sendo concluído naquele Porto.

Frederico Bussinger

 

Compartilhe

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email