Skip to content

PERISCÓPIO 135: Automação portuária


Frederico Bussinger

“Já combinaram com os russos?”
[Mané Garrincha]

Na corrida dos arquibilionários pela liderança do promissor mercado de viagens turísticas espaciais, o mundo acompanhou, recentemente, ao vivo, a primeira viagem de uma nave, sem piloto, com o próprio dono do projeto, 2 turistas convidados e um pagando passagem: bem vinda ao clube dos veículos autônomos!

Ficção até há pouco, hoje eles já estão no nosso dia a dia: caso de metrôs (como Linha-4, amarela, SP), caminhões fora-de-estrada em minas (como da Vale – Carajás) ou os já populares drones. Carros, ônibus e caminhões comerciais estão em testes, mas ainda há limitações a serem superadas: níveis superiores de confiabilidade e segurança precisam ser alcançados antes que possam circular no trânsito geral/aberto de ruas e estradas. Devem se tornar realidade mais para o final da década.

No ambiente portuário, já nos anos 1990, as operações de pátio (carretas e empilhadeiras) do ETC (Roterdã) eram realizadas sem operadores. Pouco mais tarde, porteineres em Cingapura foram operados à distância com um tipo de “joystick”. Durante o TOC-Asia/08, a ZPMC apresentou maquete de um terminal totalmente automatizado: operacional dez anos mais tarde.

Em meio a grandes marcos como esses, a operação e gestão portuária vem evoluindo com a gradativa incorporação de código de barras, QR Code, OCR, VTMIS, inspeção não invasiva, simuladores para treinamento, planos de embarque/desembarque automatizados, e outras aplicações identificadas com a chamada Indústria/Economia 4.0. Praticamente todos eles são encontrados em terminais portuários brasileiros: a tecnologia 5G, quando plenamente operacional no País, deverá ampliar-lhes o alcance, confiabilidade e eficiência.

Várias dessas tecnologias também vêm sendo incorporadas a processos de fiscalização, controle e regulação, da mesma forma que no dia a dia das autoridades intervenientes. Por exemplo, o Regulamento Aduaneiro vem de ser alterado, no final do ano passado (Decreto nº 10.550/20), “visando adequá-lo aos recentes avanços tecnológicos nos sistemas de comércio exterior”: foram incluídas a regulamentação de utilização de assinatura eletrônica e blockchain.

Mais recentemente, dando um passo adiante, anunciou-se a adoção da tecnologia de blockchain no Portal Único de Comércio Exterior – o Siscomex (experimentalmente até 31/DEZ próximo). A “bConnect”, como foi chamada, inicialmente vai permitir a troca de informações de Operadores Econômicos Autorizados – OEA. Mais adiante será possível atender também o compartilhamento de informações de Declarações Aduaneiras (alfândega).

A próxima fronteira, muito provavelmente, será a dos navios autônomos: “Maritime Autonomous Surface Ships – MASS”. A Organização Marítima Internacional – IMO já trabalha para incorporá-los a seus marcos regulatórios, e vem de concluir texto básico de uma primeira diretriz. Paralelamente, autoridades e organizações nacionais buscam se preparar para esse novo momento, como é o caso de UK, enquanto testes são realizados já envolvendo a interação navio-porto; como em Roterdã.

Cada avanço teve e tem seu significado para a indústria marítima e portuária. Mas a entrada em operação regular de navios autônomos, como apontam algumas análises, tende a ser disruptiva; uma marcante inflexão: deve provocar mudanças amplas e profundas nesse ecossistema, algo ainda não claramente compreendido; mesmo porque as alterações não dependem apenas de tecnologia: o papel da praticagem e o complexo sistema de seguros são exemplos.

Navegação e portos são milenares; mas sempre se reinventado.

Compartilhe

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Sem comentários no momento!


Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *