Skip to content

PERISCÓPIO 121: Marimex como um “case”


Frederico Bussinger

Não precisa explicar, eu só queria entender
[Macaco Sócrates – “Planeta dos homens”]

 

Não é comum o TCU tomar decisões com placar apertado: 5X3. Menos ainda com invocação de argumentos tão díspares. Talvez por isso são genéricas, ou contidas, as manifestações enquanto se aguarda o que finalmente estará cravado no Acórdão do decidido pelo plenário do tribunal nesse 5/MAI: determinação ao governo federal para que prorrogue (ou estenda?) o contrato de arrendamento da Marimex até 2025.

No polarizado embate, que se arrasta já por algum tempo, discute-se o futuro da área hoje ocupada pelo terminal da empresa no Porto de Santos: i) o poder público (Minfra e SPA) decidiu não prorrogar o respectivo contrato de arrendamento, vencido há um ano (MAI/2020): planeja utilizá-la para nela implantar uma pera ferroviária e um terminal de fertilizantes; ii) a Marimex, por sua vez, pretende continuar operando o terminal de contêineres por mais 20 anos e, para tanto, pediu sua extensão ao Minfra. Diante da negativa, buscou o TCU e dele obteve medida cautelar para ali seguir com suas operações, que vêm desde 1987 em outra área, vizinha.

O relator, Min. Vital do Rego, apoiado por 4 outros conselheiros, votou pela prorrogação. E nos debates de quase 2 horas, contraditando a proposta alternativa do Min. Walton Alencar de se firmar um contrato de transição, reforçou o argumento de seu relatório que “o contrato de transição é precário e, por isso, não seria o mais adequado”. E ainda alfinetou o governo e a autoridade portuária: “a decisão de manter a proposta … é pela falta de planejamento do próprio governo em relação aos projetos que vão entrar no lugar ocupado pela Marimex”.

No encaminhamento de sua alternativa, acompanhada por 2 outros ministros, o Min. Alencar iniciou por fazer duras críticas à proposta por fim vencedora e, ao fundamentá-la: i) arguiu a competência do TCU para determinar renovação de contratos de arrendamento entre uma empresa e o poder concedente, mormente na análise de uma denúncia, e de terceiros; ii) lembrou que “a empresa (Marimex) obteve áreas sem licitação“; iii) que “um contrato encerrado não pode ser renovado”; e iv) que “temia que com a decisão a empresa se perpetuasse no terminal usando a decisão do TCU”.

Independentemente do futuro do arrendamento, da pera ferroviária ou do terminal de fertilizantes, planejados, esse (prolongado) contencioso já é um “case” que pode ser de grande utilidade para as discussões do futuro dos portos brasileiros:

De imediato, põe em xeque os contratos de transição como instrumento para “trocar o pneu com o carro andando”; o que vem sendo largamente utilizado pelo poder concedente, com aval, ainda que implícito, dos órgãos de regulação e de controle para compatibilizar planos futuros com necessidade operacionais presentes.

De igual forma a prática de se agendar leilões (por vezes realizá-los e firmar os respectivos contratos de arrendamento) com graus de incertezas elevados em relação à possibilidade de cumprimento dos compromissos assumidos pelo poder público; ao menos nos prazos definidos. No caso específico, é sabido que tal pera ferroviária é um dos pilares centrais para os projetos de requalificação da malha ferroviária interna do Porto; e essa para o futuro dos arrendamentos e da sua própria expansão.

Os contratos dos 2 terminais de celulose, p.ex, leiloados ano passado, dependem essencialmente do fluxo ferroviário. Assim, as incertezas que já havia em relação à implementação do projeto anunciado (das 294 contribuições recebidas pela ANTAQ para o STS-14, versaram sobre ferrovia 65 delas!), ficam agora maiores ainda. Qual o risco de haver um pedido de reequilíbrio econômico-financeiro pelos terminais de celulose em função de atrasos ou não cumprimento de outras obrigações pelo poder público?

Lança dúvidas, ainda, sobre quem e como se decide arrendamentos e parcerias nos portos públicos. Enfim, sobre o processo decisório como um todo; cada vez mais confuso! Quem tem a palavra final? Quem, na verdade, é a autoridade portuária? Como explicá-lo a um estrangeiro (investidor ou não)? Ah! Como seria esse tema tratado na hipótese da SPA vir a ser efetivamente privatizada?

E mais, essa decisão do TCU, se mantida e implementada tal como anunciada, poderá ter implicações que vão muito além da Marimex e seu terminal. P.ex; i) a “Ferrovia Interna do Porto de Santos – FIPS”, que teve audiência pública há poucos meses, teria que ser repensada/redefinida, seja em termos de projeto, seja em termos de modelo; ii) com isso, a solução do imbróglio ferroviário da Baixada Santista (01, 02, 03, 04, 05) acabaria inevitavelmente por ser postergado (talvez por anos!); iii) a postergação dessa solução muito provavelmente teria implicações sobre projetos e investimentos de outros arrendamentos; iv) no limite, poderá influir até mesmo na configuração do Complexo Portuário: com tantas incertezas em relação à área interna da Poligonal, ao Porto Organizado, certamente haverá forte estímulo para a aceleração da ocupação do “Fundão do Estuário” (01; 02).

Na raiz desse quadro (que não obrigatoriamente precisaria acontecer) há forte contribuição de uma visão/abordagem patrimonialista (ao invés de funcional), e autoridades portuárias com pouca ou nenhuma autoridade. Em portos onde o modelo landlord é efetivamente praticado, é normal a autoridade portuária realocar operações e terminais na perspectiva estratégica do porto; negociadamente ou mesmo definindo as condições para tanto. Foi, p.ex, o que o grupo que estagiou em Roterdã (em 1996 ou 1997?), viu acontecer com a transferência de operações de contêineres para implantação, no local, de um terminal frigorificado para frutas.

Por outro lado, para além da Marimex e do Porto de Santos, e sem entrar no seu mérito, essa decisão traz o próprio TCU à discussão: i) Qual exatamente seu papel? ii) Quais seus limites? Além do Min. Alencar essas são dúvidas e discussões que se ampliam nos meios portuários e jurídicos.

Ademais, há algum tempo vem sendo ouvido que uma coisa é o plenário do TCU, outra são suas áreas técnicas. Na sessão de 29/JUL/2020, ao se analisar a renovação antecipada da EFC e EFVM, tomou-se conhecimento que naquelas áreas técnicas haveria os “modernos” (abertos, propensos a “inovações”) e um tipo de “velha guarda”. E, agora, dá-se conta de uma divisão no plenário, quase ao meio, em questões fundamentais: eh! O STF parece estar fazendo escola!

Como saldo, o modelo landlord parece cada vez mais distante; e a tal da segurança jurídica, tão contundente e quase unanimemente defendida e reivindicada em discursos, na prática…

Compartilhe

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Sem comentários no momento!


Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *