Skip to content

PERISCÓPIO 106: “Arranjo associativo”: por que restrito à ferrovia do Porto de Santos?


Frederico Bussinger

 

Em uma semana (6/FEV) encerram-se os 45 dias de prazo dado pela Autoridade Portuária de Santos (Santos Port Authority – SPA; ex-CODESP) para recebimento de “contribuições, subsídios e sugestões para o aprimoramento … da modelagem proposta pela SPA para gestão, operação, manutenção e expansão da Ferrovia Interna do Porto de Santos – FIPS” (Item 1.1 do Aviso).

Lembrar que “a SPA considerará somente as … que tenham por objeto os documentos … submetidos à Consulta Pública e à Audiência Pública” (3.1); condição que praticamente elimina a possibilidade de discussões estratégicas no processo, restringindo a possibilidade de manifestações a aspectos secundários de um modelo bem detalhado nos 3 principais documentos e 8 anexos disponibilizados.

O desafio à frente é proporcional ao imbróglio ferroviário da Baixada Santista: elevar até 2040 a capacidade da FIPS (fg.3, pg. 6 do Ato Justificatório); dos atuais 50 para 115 Mt/ano (+ 130%!), de forma a compatibilizá-la com os aumentos de capacidade das concessionárias “Serra Acima” (3.11 e 3.12), decorrentes de compromissos de investimentos das renovações antecipadas: RUMO (de 35 para 75, podendo chegar a 100 Mt/ano); e MRS (de 10 para 15 Mt/ano).

Do Ato também chamam atenção algumas informações: i) o termo “ferradura”, concebido no contexto do PDZ/97 e tradicionalmente usado para designar toda a envoltória ferroviária do Porto de Santos, passou a ser usado, exclusivamente, para a malha da MRS na Baixada (fg.1; pg.3). ii) a MRS (a neo-“ferradura”) “funciona como uma ‘porta de entrada’ da FIPS, já que para acessarem o Porto de Santos todas as outras operadoras ferroviárias pagam direito de passagem à MRS” (3.5). iii) “pelo direito de passagem a MRS cobra atualmente R$ 240,15/mil TKU, valor esse, guardadas as particularidades da extensão das vias, superiores aos valores de Malha Paulista (R$ 22,29) e Ferrovia Norte Sul (R$ 13,24)”. Ou seja, respectivamente, 11 e 18 vezes maiores (4.27)!

Socraticamente, a SPA enunciou duas alternativas de modelo para, a seguir, descartá-las: i) prorrogação do contrato da Portofer (vetada pelo TCU – 4.7ss), e ii) concessão a um “terceiro completamente dissociado das concessões ferroviárias que acessam o Porto”, argumentando que “há entraves intransponíveis para adoção dessa alternativa regulatória, na medida em que, para além de potencialmente aumentar os custos logísticos do País, inviabilizam a gestão integrada da FIPS e a autorregulação entre as operadoras ferroviárias” (4.36).

Restou, então, a outorga dos “ativos ferroviários” do Porto por “dispensa de processo competitivo” (licitação ou leilão), com base no conceito de “oportunidade de negócio” (Lei nº 13.303/16, art. 28, § 3º, II; e § 4º); este interpretado pelo Enunciado 27 do Centro de Estudos Judiciários do Conselho da Justiça Federal em AGO/20.

Estrategicamente, dado ser a MRS “porta de entrada da FIPS”, duas curiosidades: i) qual será o instrumento, o “driver” para garantir que ela faça os investimentos necessários na sua malha, visto ser responsável por, “apenas”, 5 das 70 Mt/ano de aumento de capacidade/movimentação previsto “Serra Acima”? ii) os valores de direito de passagem, tão maiores, serão reduzidos? Isso constará do aditivo de sua renovação antecipada?

O conteúdo do modelo é explicado, detalhado e defendido nas 7 últimas páginas do Ato: além da legalidade, fica clara sua razoabilidade e legitimidade; portanto, modelo defensável em termos jurídicos e de governança. Aliás, outra curiosidade: os argumentos utilizados para fundamentar e defender o modelo proposto para a FIPS, não seriam perfeitamente aplicáveis à própria Autoridade-Administradora, caso seja levada adiante o processo de sua desestatização?

Já em termos operacionais e de compliance, algo mais delicado; considerando-se que a concessão da MRS, ao que consta, não é abrangida pela SPE em Consulta Pública: há/haverá compatibilidade entre os aumentos de capacidades da FIPS e da MRS? Alinhamento de cronogramas?

Muitas dúvidas! Muitos riscos!

Não seria, então, mais prudente ampliar-se o escopo do “arranjo associativo” (outra designação para uma administração condominial) concebido para a SPE a administrar a FIPS (4.58ss)? Ou seja: adotar-se para o conjunto das malhas ferroviárias da Baixada Santista, agregadas, o ora proposto apenas para a FIPS? Algo na linha do modelo apresentado pelo CAP nos anos 90?

Há questões a serem resolvidas; é certo. Mas não intransponíveis.

Compartilhe

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Sem comentários no momento!


Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *