Skip to content

PERISCÓPIO 104: Aeroporto; embrião de plataforma logística para o Vale do Paraíba


Frederico Bussinger

União (Minfra) vem de delegar, a São José dos Campos, o Aeroporto Prof. Urbano Ernesto Stumpf (homenagem ao mestre e pesquisador do ITA/CTA; “pai do motor a álcool” e incentivador do Proálcool): Convênio nº 25/20 (1º/DEZ/20).

35 anos de prazo, prorrogáveis. Eficaz a partir de 1º/JAN/22. Abrange “construção, ampliação, reforma, administração, operação, manutenção e exploração econômica” do “complexo aeroportuário”; em sítio que ocupa vasta área: 1,3 Mm². Tal exploração pode ser “direta, indireta ou mista”; remunerada por receitas tarifárias e não tarifárias. Recursos de outorgas reaplicados na infraestrutura. A ideia da Prefeitura é concedê-lo.

Esse ato, e em plena pandemia, merece ser saudado; e ambas as instâncias felicitadas: o Minfra pelo desprendimento em meio à tendência centralizadora dominante; e a Prefeitura por seu persistente esforço por mais de uma década.

O empenho da Prefeitura, e de lideranças do Município, é compreensível: o Vale do Paraíba é o 3º PIB entre as 15 regiões metropolitanas do Estado; tem renda pc cerca do dobro da nacional; IDH “muito alto”; hospeda centros tecnológicos de excelência; e tem participação destacada no comércio exterior. Dista 100 km de São Paulo e São Sebastião,150 km de Campinas, e 250 km do (rico) Sul Fluminense.

Sua infraestrutura rodoviária abrange tem 2 estradas duplicadas no eixo SP-RJ; outra que a liga a Campinas (e, daí ao interior); e das 3 que acessam o Litoral Norte, a Rod. Tamoios está em processo de duplicação (parcialmente concluído) até o Porto de São Sebastião. A ferrovia RJ-SP corta a RM do Vale do Paraíba praticamente em toda sua extensão.

O aeroporto dispõe de uma privilegiada pista de 3.200 m, capaz de receber aviões cargueiros de grande porte (como o que levou o satélite sino-brasileiro e, agora, o que do INPE que será lançado na Índia). Convive, porém, com alto índice de ociosidade atualmente.

Ou seja: localização estratégica, demanda (cargas e passageiros), e infraestrutura logística avançada. Por conseguinte, local singular para plataformas logísticas de forma a reduzir tempos e custos, e maximizar valor nos fluxos e operações. E mais: sinergia perfeita com o Porto de São Sebastião; que tem condições náuticas excepcionais, mas retroárea (terrestre) limitada (potencial da ordem de 1,2 Mm²).

Esse arranjo já foi estudado e previsto pelo Plano Integrado Porto-Cidade – PIPC do Porto de São Sebastião (2007-09). Posteriormente também objeto de Grupo Executivo Estado-Prefeitura, formalizado pelo Protocolo de Intenções de 3/JUL/09 (Processo SEP- 0363/09), que concluiu seus trabalhos e apresentou relatório final em 18/MAI/10: foram identificadas 2 glebas, com 700 e 790 há; concebido ramal ferroviário e estruturação interna (inclusive com leiaute); e desenvolvido modelo jurídico-institucional.

Certamente o complexo aeroportuário poderá ser concedido como tal: e já será um grande avanço. Mas porque não ampliar o escopo e modelar-se uma plataforma logística nucleada no aeroporto? Como?

Uma década depois elas passaram a integrar o ambiente logístico brasileiro. O aeroporto foi delegado e a Prefeitura está iniciando estudos e processo de audiências públicas e outorga. A MRS está em tratativas (Minfra e TCU) para renovação antecipada do seu contrato de concessão ferroviária. E o Porto de São Sebastião iniciou, há pouco, estudos para sua desestatização.

Ou seja, os astros se alinham! Oportunidade única para um projeto paradigmático para a logística do futuro. Parodiando conhecida marca esportiva, “just do it”!

Compartilhe

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email