Skip to content

PERISCÓPIO 15: “Lições a partir dos leilões portuários”

Fredy foto  Frederico Bussinger

“Debaixo do angu tem carne!”
[Expressão caipira]

Noticiava-se presença restrita nos leilões para arrendamentos em Cabedelo e Vitória. Confirmou-se: Raízen, Ipiranga e BR, em consórcio, arremataram as 4 áreas. Discursos, noticiários e análises ecoaram “mais um sucesso” das privatizações federais; quase todos focados no valor arrecadado (outorga): R$ 219 milhões. Vozes críticas (poucas!) destacaram a falta de competição e os baixos valores exigidos; em alguns casos até insinuando “crime de lesa-pátria”.

Tanto celebrantes como críticos, ainda que implicitamente, assumem premissas e adotam visões que valem a pena ser analisadas:

Porto não é/deve ser loteamento; nem administração portuária imobiliária. Mais importante que o patrimônio envolvido é a riqueza que ele contribui para ser gerada: daí porque, milenarmente, portos são tratados como agentes de desenvolvimento regional.

Porto, independentemente do enquadramento na respectiva lei, é, tem sido e seguirá sendo uma PPP: privados e poderes públicos compartilham no dia a dia papeis na produção de serviços e atendimentos de clientes… em muito distinto do que ocorre na telefonia, energia elétrica e, até mesmo, rodovias e ferrovias.

Na verdade, exploração de portos no Brasil, a partir da CF/88, é competência da União (art. 21, XII, f); direta ou outorgadamente. Assim, o processo de arrendamento, mais que “venda”, é uma seleção de parceiro da autoridade portuária (da União, no Brasil!) com perfil e competências para desempenhar seu papel. A Lei dos Portos vigente (Lei nº 12.815/13 – art. 3º), assim como também o fazia a anterior, detalha esse papel e os objetivos a serem logrados por essa “parceria”: uma parceria funcional; e até bem alinhada com as boas práticas internacionais.

Daí decorre que, nos portos, o espelho d´água é mais importante que o solo (o termo arrendamento desfoca essa visão!); e, nessa seleção do parceiro, o foco é/deve estar mais no desempenho, nos resultados, que no ativo; e, mesmo, que no montante de investimentos. Explica também o porquê em muitos dos benchmarking internacionais inexiste licitação (qualquer modalidade)!

Aliás, leilões ou, mais amplamente, licitações com muitos concorrentes, infelizmente não tem sido barreira a direcionamentos e/ou privilégios; nem garantia de procedimentos escorreitos no Brasil: os cinco anos de LavaJato estão aí para o demonstrar!

Mais explicitamente: caso Raízen, Ipiranga e BR fossem implantar seus empreendimentos em portos de países desenvolvidos, em muitos deles provavelmente negociariam diretamente (isso mesmo!) com a respectiva autoridade portuária; quando muito, o resultado da negociação precisaria receber homologação de alguma instância governamental ou parlamentar. Aliás, o mais provável, até, é que houvesse leilão às avessas: mais de uma autoridade portuária disputando-os!

Mesmo com a legislação, processo decisório e esquemas de regulação e controle hoje vigentes no Brasil é possível vencer-se barreiras (preconceitos?) conceituais e praticar-se modelos mais aderentes a visões dominantes no mundo: p.ex, o “sítio padrão”, amplamente utilizado nos anos 90 (contratos “Pós-93”, ora sendo renovados), já conhecido dos órgãos de controle, poderia ajudar a destravar muito do que se arrasta há anos.

Credito Freddy

Compartilhe

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email