Skip to content

PERISCÓPIO 23: “Oportuno debate portuário”

Frederico Bussinger

Semana passada foi a ABTP, em Brasília, na festa do seu 30º aniversário. Nesta, nos seus 25, a FENOP reúne seus associados, em Recife, para discutir e definir “O que queremos para o sistema portuário brasileiro?”. Semana que vem na FIESP, em São Paulo, e no DPC/Marinha, no Rio, o futuro dos portos brasileiros estará sob holofotes; neste em evento para examinar oportunidades e desafios do modelo conhecido como “Land-Lord Port”. Em junho, um dos temas do momento é trazido a debate pela OAB/ES: privatização das administrações portuárias.

Se nos últimos anos a sociedade brasileira manifestou-se com clareza em torno daquilo que ela majoritariamente não quer, que rejeita, o mesmo não ocorreu com o que colocar no lugar. Por isso, dificilmente algum setor da vida nacional não está sendo esquadrinhado; não está sendo repensado. Portos, logística entre eles; momento oportuno, pois, para tais debates.

Melhor ainda porque parece haver tendência de se evitar o modelo, preguiçoso e bajulador, de se montar simples palco para discursos/exposições de autoridades de plantão – sem nenhuma preocupação com conclusões. Por vezes nem mesmo com discussões; o que explica o persistir interpretações tão distintas e, até mesmo, equívocos sobre alguns conceitos básicos:

Apesar de haver arrendamentos nos portos “Land-lord”, não são eles que caracterizam o modelo concebido no século XII e amplamente majoritário nos 5 continentes: ainda que com variações, como detecta pesquisa da “European Sea Port Organization – ESPO” em mais de 200 dos seus portos, o modelo se assenta sobre dois pilares básicos: i) separação de operação e autoridade portuária; e ii) autonomia desta; cravada até no termo em francês: “port autonome”.

Sustentabilidade econômico-financeira, claro, é desejável para a autoridade portuária. Mais que um negócio, todavia, esta é uma função (normalmente pública); que transcende arrendar áreas. Alias 4 funções:  i) gerar e gerir espaços portuários; ii) prover infraestrutura básica e serviços condominiais a operadores e arrendatários; iii) regular operações portuárias e parcerias; e, talvez, a mais nobre, iv) promover negócios e fomentar desenvolvimento regional.

Termos/conceitos que adotamos contribuem para turvar nossa visão. P.ex: arrendamentos (dentro dos portos públicos) e TUPs (fora deles) não se distinguem pela propriedade/gestor: ambos são empresas privadas. Alias, os “terminais de uso privativo”, da antiga lei, teriam sido mais bem designados se como “terminais dedicados”; visto estarem vinculados a uma cadeia logística, por sua vez vinculada a uma cadeia produtiva.

Instalações são outorgadas a empresas privadas em portos de todo o mundo. Mas, enquanto “arrendamento” nos induz a focar na propriedade, no ativo, concessão (termo mundialmente preferido) nos leva à função (operação; serviço; etc – para o que o ativo é, apenas, algo como uma “matéria-prima”). A propósito, exploração portuária, como uma competência da União, surgiu com a CF/88: antes disso, desde a de 1824, cabia a ela apenas “legislar sobre”.

Há muito mais! O que nos facilita é que esses e outros conceitos são detalhadamente tratados, tanto em “Governança Portuária” da ESPO, como no “Port Reform Toolkit”, manual de reformas portuárias do Banco Mundial.

Compartilhe

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email