Skip to content

PERISCÓPIO 40: “Por que parou? Parou por que?”

Frederico Bussinger

De certa forma até irônico: enquanto naquele 5/SET um concorrido painel da “25º Semana de Tecnologia Metroferroviária” (AEAMESP) discutia planos de expansão de metrô e ferrovia na RMSP, os sites noticiosos começaram a informar que “Governo do Rio decide aterrar estação Gávea do metrô, parada há quase 5 anos”. Motivo? “Para concluir a obra, seriam necessários entre R$ 750 milhões a R$ 1 bilhão”. Uma semana depois houve recuo do MP e o Governador anunciou que tais obras “devem” ser retomadas: oficiosamente, diz-se que com recursos recuperados pela Lavajato.

Nos últimos dias, enquanto em diversos painéis do “22º Congresso da ANTP”, o mais tradicional evento de trânsito e transportes do País, discutem-se planos para o futuro da mobilidade nas cidades brasileiras, a Comissão de Infraestrutura do Senado, em Audiência Pública com o Presidente do BNDES (principal financiador de tais obras) cobra “ações concretas contra obras paralisadas, espalhadas em todo o país”… “estoque calculado em 14 mil empreendimentos, financiados com recursos federais”.

As estatísticas são díspares. Há diferenças de critérios. P.ex; o contundente alerta dos senadores parece originado em relatório do TCU. Outras fontes falam em 7.400, em 5.000. Já estudos da CNI “apenas” 2.796. A maioria delas (60%) pertence ao saneamento, ainda que montando a só 9% dos recursos totais. Já as de infraestrutura de mobilidade e logística, em menor número, envolvem investimentos superiores a R$ 100 bilhões; aí incluídas inúmeras obras de metrô, ferrovia, portos, aeroportos e hidrovias, com destaque para as icônicas BR-163, VLT de Cuiabá e Transnordestina: triste, pois, se implantadas conforme promessas originais, já estariam beneficiando a economia, populações, vida urbana e meio ambiente.

Como e por que chegamos a esse ponto? Falta de bons projetos, redução dos espaços orçamentários para investimentos, “Lei de Teto de Gastos”, capacidade gerencial limitada, insegurança jurídica são causas normalmente mencionadas: cada uma delas explica parcela do fenômeno!

Para além dessa ponta de iceberg, porém, imprescindível agregar-se aspectos arraigados da nossa cultura de planejamento, decisão e gestão. P.ex: i) Planos que, muitas vezes, pouco vão além de meras ideias “embrulhadas pra presente”; omitindo o “como” ser implementado (recursos financeiros, capacidade de fornecedores, qualificação profissional, governança, etc). ii) Aspectos metodológicos: estatísticas e matriz analítica em número de passageiros, ao invés de passageiros-km; e/ou foco apenas no aumento da oferta, sem igual preocupação com redução de demandas (em p-km); iii) E/ou a hegemonia da marquetagem nos processos decisórios; que incentiva planejamento e decisões apressadas, improvisadas e incompletas.

O primado da privatização, marca dos tempos presentes, malgrado seu potencial para solucionar alguns gargalos, se focado apenas nos ativos (deixando em 2º plano funcionalidades e os serviços), pode desperdiçar preciosa oportunidade para se rearranjar os sistemas de transporte e se estabelecer a tal governança interfederativa; um dos pilares do Estatuto da Metrópole.

O governo paulista anuncia processos de privatização no/do Metrô e CPTM (linhas existentes e novas). O Governo Federal a da Trensurb e parte da CBTU. Por que não fazer tais rearranjos como “Ajuste Prévio”, instrumento previsto pela “Lei do PND”?

Compartilhe

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email