Skip to content

PERISCÓPIO 48: “TUPs X Portos Públicos”

Frederico Bussinger

Cada enxadada uma minhoca
[Expressão gaúcha]

“Identificar as principais limitações … que levam agentes privados a optarem por implantar TUP em vez de se instalar em portos públicos” é o objetivo da auditoria operacional do TCU recém-iniciada.  Pesquisa em 3 eixos: i) Diferenças entre contratos de arrendamento e autorizações para TUPs; ii) Diferenças quanto à execução contratual; iii) Interfaces arrendamentos-Autoridades Portuárias.

Não é tradição brasileira avaliar-se políticas públicas: resultados X promessas; impactos negativos X positivos; p.ex. Mas isso é mais que recomendável no caso dos portos; tanto ante anúncios de novas mudanças no modelo vigente como, após 7 anos, urge um balanço daquele embutido na MP-595 (embrião da atual Lei dos Portos): lançada em concorrida cerimônia naquele 6/DEZ/2012 (https://www.youtube.com/watch?v=QPWX0_3hcaU) e empacotada e rotulada como “Programa de investimentos em logística: portos”.

A particularidade é ser o TCU a fazer tal avaliação; e não o executivo, legislativo ou instituição independente, como é praxe em países desenvolvidos e democracias consolidadas. Também o fato de que o processo é aberto à participação da sociedade (https://contas.tcu.gov.br/limesurvey_novo/index.php/189132?lang=pt-BR).

O TCU foi criado pelo então Ministro da Fazenda, Ruy Barbosa, em 7/NOV/1890 (Decreto nº 966-A). Em seguida institucionalizado pela 1ª constituição republicana (1891) para “liquidar as contas da receita e despesa e verificar a sua legalidade, antes de serem prestadas ao Congresso” (art. 89). Entre idas e vindas, daquele exame de contas, há 130 anos, as atividades do TCU passaram a abranger atos de gestão, depois contratos, processos licitatórios, regulação e, mais recentemente, políticas públicas (como esse caso): em muito por interpretações das largas balizas da CF/88 e anabolizado pelo contexto de combate à corrupção.

O estopim da auditoria foi a observação do Ministro Bruno Dantas (TC 022.534/2019-9): ociosidades e pouco interesse nos portos públicos, contrastando com um boom de TUPs. Os auditores facilmente o comprovarão: (19 X 102) novas outorgas entre 2013-18, e (15 X 45) renovações. Investimentos (R$ 6,89 X 33,2). Ou seja; um verdadeiro “7 X 1”!

Respostas para a pergunta-guia, porém, requerem mais que dados quantitativos. P.ex: 2/3 dos volumes movimentados hoje passam pelos TUPs. Nenhuma novidade, pois eles sempre foram majoritários graças aos graneis minerais (ferro, petróleo, etc). A novidade fica por conta da carga geral (contêineres, em particular), razão pela qual valeria à pena separar-se, para fins analíticos: i) TUPs graneleiros dos de carga geral; ii) TUPs “dedicados” a uma cadeia produtiva daqueles atuando para o mercado; iii) TUPs que possuem infraestrutura (aquaviária e/ou terrestre) própria (como é o caso do Porto do Açu) e aqueles que as compartilham com portos públicos; iv) Administrações Portuárias sob gestão federal das sob gestão estadual e municipal.

Daí talvez surjam 3 novas áreas de investigação: i) As gestões federais seriam menos eficientes que as estaduais e municipais? ii) Da ineficiência, o que cabe ao processo decisório até as APs (incluindo órgãos de controle e regulação), e o que cabe à atuação das APs? iii) Estaria em curso uma inversão de papeis: TUPs assumindo função de portos públicos, e nesses uma “TUPização” dos arrendamentos? Em casos afirmativos, por quê?

Essa avaliação da (implícita) política/modelo portuário brasileiro, a partir da MP-595, veio em boa hora. E, se efetivamente se aprofundar, promete!

Compartilhe

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email